Pesquisa
.: Home
.: Contato
.: Mensagens para ler
.: Mensagens em Áudio
.: Textos de outros
.: Ouça online
.: Links interessantes
.: Aconselhamento
.: English version
.: Pesquisa
.: Recomende
Mensagens para ler
Enviar para um amigo | Versão para impressão | Voltar |  Recomendar
Carta para uma pessoa com depressão
Encontro com a Vida

Sei, por experiência própria, o quanto é difícil se abrir com alguém, quando se passa por um momento assim.

 

Nós começamos a achar que ninguém entende a linguagem da nossa dor. Parece que o mundo todo está gargalhando, escorregando suavemente por uma esteira rolante de alegrias, euforia e prazer, enquanto nós nos sufocamos na nossa angústia e parece que ninguém nem mesmo está vendo.

 

Sei como é sentir que você nunca mais vai conseguir ser "gente normal" de novo. Começamos a achar que não somos normais, por estarmos sentindo o que estamos sentindo. Mas a pergunta que a gente não faz é: Quem é normal e quem não é normal? E, afinal, quem diz o que é ou não é normal?

 

De qualquer forma, nós nos sentimos completamente isolados e sozinhos no buraco escuro da nossa tristeza. Não temos mais vontade para nada, nem energia, nem motivação. Tudo parece uma grande canseira. O mínimo esforço que fazemos é como se estivéssemos empurrando um guarda-roupa pesado. A vontade é dormir e não acordar nunca mais. A vontade é sumir e nunca mais aparecer. A vontade é nunca ter nascido, nunca ter existido, é evaporar. Não é mais ou menos assim?

 

Depressão é uma doença como qualquer outra. Há tratamento e há cura. Mas é preciso buscar ajuda profissional.

 

Tomar medicamentos, receitados por um médico, e fazer terapia com um psicólogo não é, nunca foi e jamais será falta de fé; é uma ajuda que podemos precisar, simplesmente, porque somos humanos. E não somos fracos por causa disto. Não há nada de errado em precisar disto. Não é motivo de vergonha, culpa ou constrangimento. Somos humanos.

 

Não só procure ajuda médica, mas fale com Deus do íntimo do seu coração, sem medo, sem culpas, cobranças ou tormentos. Ele ama você. Ele entende você. Ele se preocupa com você. Ele quer ajudar você. Fale com Ele como quem fala com um grande amigo. Deus não está contra você, Ele está ao seu lado. Ele não abandonou você.

 

É difícil, mas existe cura. Parece que a gente nunca vai sair deste abismo da alma, mas vamos sair. Parece que não existe mais luz, nem cor, nem prazer, nem alegria, nem forças, nem razão para nada; mas Deus continua existindo e continua nos amando. Nós estamos vivos.  

 

Quanto aos pensamentos que surgem em sua mente, ouvi um médico psiquiatra dizer que eles são como um "mau hálito mental". Acontecem. Ele foi mais além e usou a expressão "arroto mental". Acontece. O problema é darmos muita atenção para eles. Porque, na verdade, eles só são pensamentos. Só são emoções, sentimentos. Só isso. Nada mais do que isto.

 

Não podemos moralizar estes pensamentos e sentimentos negativos. Muito menos aceitar alguma culpa por eles. Eles, simplesmente, surgem, acontecem, aparecem. O que eu preciso fazer é não dar crédito para eles, mas duvidar deles e criticá-los. Mas isso sem culpas, medos, angústias, desespero ou ansiedade.

 

Você não precisa viver tensa por causa dos pensamentos que a perturbam. Mas, experimente não aceitar passivamente tudo que vem à sua mente. Experimente duvidar do que está pensando, duvidar de seus medos, das imagens que surgem. Experimente criticar o que está pensando.

 

Não se critique, mas critique o que está vindo de negativo em sua mente e imaginação. Contraponha estes pensamentos negativos com outro tipo de pensamento.

 

Sei que parece pedir demais, mas, experimente fazer perguntas para si mesma. Com toda calma, sem ansiedade e sem culpas.

 

Sei que é difícil, quando até pensar já cansa, mas tente fazer como o salmista Davi, nos Salmos 42 e 43, que perguntou para si mesmo: "Por que você está abatida, minha alma? E por que você se perturba tanto dentro de mim? Espera em Deus, porque eu ainda o louvarei. Ele é o meu Salvador e o meu Deus".

 

Você percebe que o salmista estava fazendo perguntas para a sua própria alma, para si mesmo? Ele estava questionando o que estava sentindo. Estava duvidando que aqueles pensamentos e sensações tivessem razão de ser, tivessem fundamento, tivessem alguma verdade neles. E então ele encorajou a si mesmo, dizendo: "espera em Deus, porque eu ainda o louvarei. Ele é o meu Salvador e o meu Deus".

 

"Ainda" é a adversativa da esperança. Este é o meu momento, mas não é o meu destino. É o meu momento, mas não é o meu fim. Eu estou aqui, mas não vou ficar aqui para sempre. Eu ainda O louvarei. Há um ainda de esperança, porque Deus nos ama e cuida de nós. Ele provou isto na cruz, quando Jesus deu Sua vida e nos reconciliou, de uma vez por todas e para todo o sempre, com o Pai Celestial. Somos seus filhos amados. Você é sua filha amada. Amada do Pai.

 

O salmista, no Salmo 131, disse que acalmava e sossegava a sua alma, como a mãe faz com sua criança recém-amamentada. Ele diz que ninava a sua alma. Ele a colocava para dormir. Ele a tratava como quem está acalmando um neném assustado e choroso que segura no colo. 

 

Não sei se já leu os livros de um médico psiquiatra chamado Augusto Cury. Ele escreveu uma série chamada "Análise da Inteligência de Cristo" que ficou muito conhecida. Mas ele tem alguns livros em que fala bastante sobre esta questão de criticar e duvidar dos nossos pensamentos negativos, e, então, determinar que podemos pensar algo diferente. Não somos obrigados a ser reféns de tudo que vem à nossa cabeça.

 

Eu sei que não é fácil para quem está deprimido, mas é bem semelhante ao que a gente vê Davi fazendo nos Salmos que mencionei. Por exemplo: "Por que eu estou tão triste? Porque eu estou com tanto medo? Qual o motivo? Será que eu tenho um motivo razoável para estar com este medo todo? E se acontecer o que eu estou temendo, será que é o fim do mundo? Será que é a pior coisa que poderia me acontecer? Será que não existe um outro modo de pensar sobre esta situação? Será que não existe um outro ângulo, um outro modo de enxergar, um outro foco, uma outra forma de ver isto que eu estou vendo? Há uma outra forma de pensar sobre isto, sobre esta situação, sobre esta pessoa? Será que se eu pensar um pouco existe algo bom pelo qual eu poderia agradecer em minha vida?".

 

É só um exemplo.

 

Tente viver um dia de cada vez, um dia por vez. Sei que não é fácil. Mas, tente.

 

Desmoralize a sua dor. Ou seja, não a torne numa questão moral, como se fosse errado estar passando pelo que está passando. Não é errado, é apenas uma amostra de que você é humana. Depressão não dá em geladeira nem em fogão, dá em gente que tem alma, que tem emoções, que tem cérebro. Depressão e ansiedade dão em pessoas, cristãs ou não, que crêem em Deus ou não.

 

Tente ler os Salmos que estão na Bíblia, na tradução mais simples que você tiver, como se fosse uma terapia para a sua alma, como se fosse um banho que você está tomando, como se fosse uma água que você está bebendo, um pouquinho de cada vez. Deixe as palavras falarem calmamente com você. Transforme-as em suas orações sempre que sentir vontade de fazer isto. Leia aquilo que falar com você, de você e para você. Se não entender algo, não tem problema, continue lendo. Em algum momento, a Palavra vai falar de você, com você e para você. Também, se puder, ouça mensagens que você sente que fazem bem ao seu coração, que trazem esperança, que trazem paz. Ouça boa música, algo que tranqüilize seu interior. Quando puder, saia para caminhar.

 

E, por favor, continue fazendo o seu tratamento médico, e, se possível, procure fazer uma terapia, como, por exemplo, uma Terapia Cognitivo-Comportamental. Já leu sobre isto?

 

Deixe as cobranças das pessoas com elas. Que elas administrem suas próprias expectativas, não você. Você é você. O caminho é entre você e Deus. A amizade das pessoas sempre é bem vinda, mas que as cobranças sejam filtradas e não entrem dentro de você. Você não tem que provar nada para ninguém.

 

Todos podemos passar pela ansiedade e depressão. Não só uma vez, mas até várias vezes. Somos humanos. Temos emoções. Temos um corpo. Somos todos, no dizer da Bíblia, sujeitos aos mesmos sentimentos. Não existem super heróis.

 

Com certeza, Jesus está atravessando cada segundo junto com você. Você nunca esteve sozinha, não está e jamais estará. Ele ama você e é seu aliado neste processo de cura.

 

Paulo Cardoso

Enviar para um amigo | Versão para impressão | Voltar |  Recomendar